Técnica do Mês - Ásana

É TURMA É DEMAIS!
ALGUNS DOS PROFESSORES
DO DYNAMIC YOGA CENTER

 

 

Ásana, do sânscrito significa literalmente assento.
Temos dois aspectos na realização de um ásana: o externo e o interno. Ao aspecto externo damos o nome de posição, pois, refere-se a sua execução puramente física e as suas regras. Agora, quando falamos da integração de corpo, mente e consciência damos o nome de postura. O corpo pode estar fazendo uma coisa e a mente outra: isso é posição, é externo, é ginástica. Quando há unidade, integração, consiência presente, percepção, bom, agora estamos fazendo ásana.
A prática de ásana é de valor inestimável. Não apenas pelos seus benefícios em termos de vitalidade e saúde, mas, na sabedoria do corpo e de suas funções. Os ásanas previnem e chegam até a curar uma série enorme de doenças. Realizado corretamente os ásanas irão atuar no organismo como um todo - músculos, articulações, órgãos, aparelhos e sistemas. Eles vão combater desde o stress até o envelhecimento precoce e as doenças de idade avançada. Ajudam a desfazer o efeito das doenças psicossomáticas, mantém a boa postura, a elegância corporal, o bem-estar geral etc.
Nesta edição, vamos conhecer melhor as regras que nos orientam para a melhor execução e a colher os benefícios de sua prática.

Regras para uma melhor execução

Regras de Respiração

Ao executar o ásana
Movimentos de expansão torácica: inspiração
Movimentos de contração torácica: expiração

Durante a permanência
A respiração deve fluir naturalmente de acordo com o ásana. Sempre pelo nariz. Se a postura permitir utilize, preferêncialmente, a respiração completa. Determinadas posturas devemos seguir a orientação do professor e respirar utilizando a respiração abdominal ou torácica.

Regras de Esforço

O objetivo na execução de uma postura é a sua prática sem qualquer esforço. Vamos aprender a incorporar uma técnica, de tal forma, a movimentar o corpo com leveza e elegância. O Yoga não é culto ao corpo, e sim, fazer do corpo o receptáculo da plena consciência. A vivência da suprema realização do Ser. Um corpo com 90 anos de idade não tem a mesma performance de um de 20. Por mais cuidados corporais, ginástica, hormônios, plástica etc. É aí que o aprendizado dos ásanas entra. Sua prática desperta em nós a compreensão de como o corpo funciona, como lidar com a energia produzida por ele. Os ásanas são alquímicos e na combinação com os respiratórios os elementos - água, terra, fogo, ar e éter - são trabalhados. Nessa transformação, devemos entender a natureza do esforço na sua execução.
Como diz o ditado ‘antes de conhecer Deus precisamos conhecer o diabo’. No nosso caso, antes de aprender a executar sem esforço, precisamos conhecer o esforço. Obviamente, no princípio, temos muitas dificuldades, e isto, não é uma questão de idade ou sexo, mas de diversas variantes. Lembre-se: tenha paciência. O objetivo não é o corpo. Ele é apenas um meio. O ásana é apenas um meio não deve ser o fim! A integração, a unidade, a compreensão da mente, o depertar da luz da consciência é que devem ser a sua finalidade.
Podemos dividir a natureza do esforço em dois grupos para facilitar a compreensão. De um lado temos o esforço negativo - é a energia gasta apenas para sustentar a posição. Essa é apenas perda de tempo, pois ela deforma o corpo, ao invés de transformar.
O esforço positivo é a energia gasta na execução visando trabalhar todos os encaixes corporais para realizar a postura corretamente. Essa energia transforma o corpo e nos leva a realização sem esforço. É o pleno domínio dos movimentos e a execução precisa, elegante e harmoniosa de uma postura.


Regras de alinhamento

Oposição de força
O corpo é como um edifício e, na execução de cada ásana ele deve estar no prumo. Precisamos equilibrar as forças opostas geradas pela presença da gravidade. Se estamos em pé, devemos permanecer eretos, com o peso distribuído nas solas, ombros encaixados, cabeça no prolongamento da coluna e, assim, existirá equilíbrio. Ao executar qualquer ásana devemos visualizar as forças opostas agindo no corpo e precisamos anulá-las para atingir o equilíbrio, pois, de outra forma, cairemos no esforço negativo - gastamos energia apenas para não cair.

Equilíbrio
O equilíbrio é conseqüência da aplicação da regra anterior. Imagine uma galinha dormindo no puleiro. Ela recolhe uma das perninhas e não cai. Ela dominou as forças opostas e permanece em equilíbrio e, assim, ela conquista estabilidade.

Estabilidade
A permanência do equilíbrio chama-se estabilidade. Aqui, no nosso exemplo, a galinha totalmente equilibrada relaxa, isto é, dorme sem cair do puleiro. Quando o equilíbrio foi conquistado vamos aprender a respirar com plena naturalidade e a ‘relaxar’ no ásana, então, temos...

Mínimo Esforço
Agora é uma maravilha! Conseguimos ficar um bom tempo na posição e, assim, a mente se aquieta. Temos uma situação propícia para o despertar da mente meditativa. Isso é ásana.

Importante

Sempre faça cada ásana como se fosse a primeira vez.

Coloque todo o seu ser na execução.

Nunca pratique com o estômago cheio.

Sempre respire pelo nariz.
Nunca force.
Aplique as regras de execução segundo o seu instrutor.
Yoga não é competição. E, principalmente, não compita com você mesmo.
Procure desfazer os pontos resistentes, tensos e desconfortáveis através da respiração e do relaxamento durante a execução das posturas.
Tenha paciência. No princípio, as articulações e os músculos reclamam bastante.


<< Voltar

 

: : HomeQuem SomosO que é YogaCursosNossas UnidadesMaterial DidáticoInformativosFale Conosco : :